CUNHA PEREIRA FILHO

Motorista pagará danos morais por carro que impediu saída de garagem

CUNHA PEREIRA FILHO

Blog

Motorista pagará danos morais por carro que impediu saída de garagem

Homem que ajuizou a ação precisava sair para buscar o filho na escola e não conseguiu

A Justiça determinou que um homem receba indenização de R$ 2 mil da dona de um carro que estacionou na frente da garagem dele e impediu a saída. A juíza responsável pelo caso considerou que houve dano moral devido ao transtorno de ficar mais de uma hora procurando de quem seria do veículo.

Segundo o processo, quando o homem iria sair para buscar o filho na escola, se deu conta de que a passagem estava impedida por um automóvel. Ele começou a procurar o dono e, de acordo com uma testemunha, ficou bastante tempo perguntando às pessoas na calçada quem seria o dono daquele carro.

Na decisão, a juíza Ana Paula Ortega Marson levou em conta o relato da testemunha que contou que o homem habitualmente saía naquele horário para buscar o filho e que, ao sair para almoçar, notou que ele procurava o dono do carro e, quando retornou, observou que ele ainda não havia encontrado.

A juíza também considerou fotos feitas da entrada da garagem. “O portão da garagem, conforme as fotos juntadas nos autos, tem aparência de portão de garagem e sinalização de proibido estacionar. A guia da calçada é rebaixada em frente ao portão, indicando a entrada e saída de veículos. A ré parou o veículo de tal forma que impediu a saída do carro do autor da garagem, haja vista que há um poste bem junto da entrada da garagem e o espaço que restou entre o poste e a frente do carro da ré era, visivelmente, insuficiente para a saída do carro do autor”, apontou a magistrada.

A defesa da ré e mais dois informantes – um irmão e um amigo –, que prestaram informações sem compromisso, disseram que ela esteve no local períodos diferentes: 10, 15 ou 20 minutos.

“Evidente o constrangimento do requerente, pois precisava sair de casa com o veículo e ficou impedido em razão da conduta do motorista do carro da ré. Há de se considerar o tempo gasto pelo autor aguardando o condutor do veículo e fato dele ter ficado procurando, inutilmente, o dono do carro por mais de uma hora”, avaliou a juíza.

Gazeta do Povo – [22/02/2017]

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp