CUNHA PEREIRA FILHO

Destituição do Incorporador em caso de atraso de Imóvel na Planta

CUNHA PEREIRA FILHO

Blog

Destituição do Incorporador em caso de atraso de Imóvel na Planta

Destituição do Incorporador em caso de atraso de Imóvel na Planta

A destituição do incorporador em caso de atraso de imóvel na planta, ou em fase de construção mais adiantada é um mecanismo pouco utilizado ou talvez desconhecido, de muitos adquirentes de imóveis.

Esta norma vem estabelecida no inciso VI, do artigo 43 da Lei 4.591/64,  que diz:

“se o incorporador, sem justa causa, devidamente comprovada, paralisar a obra por mais de 30 (trinta) dias, ou retardar-lhes excessivamente o andamento, poderá o juiz notificá-lo para que no prazo de 30 (trinta) dias as reinicie ou torne a dar-lhes o andamento normal”.

Ou seja, caso o incorporador, sem justa causa, paralisar a obra por mais de 30 dias, poderá ser notificado pelo juiz para que, no prazo de 30 dias, reinicie a obra, desde que haja comprovação da ausência de justa causa do incorporador.

Uma vez desatendia esta notificação judicial, ocorrerá a destituição do incorporador em caso de atraso de imóvel na planta pela maioria absoluta dos adquirentes.

Na sequência e, após a formalização da sua destituição, haverá a imissão de posse dos adquirentes, que terão agora o ônus para colocar em marcha o reinício das obras, agora sem qualquer interferência do antigo incorporador.

Contudo, é bom que se frise, resta-lhe ainda o dever de restituir as importâncias que comprovadamente são devidas aos adquirentes e que poderão ser reclamadas judicialmente, acaso não as faça pela via negocial e administrativa.

Na grande maioria das vezes, havendo atraso na execução das obras ou até abandono, ainda é muito comum buscar o judiciário para a rescisão do negócio, com pedido de devolução dos valores pagos mais as eventuais perdas e danos materiais que houveram, como por exemplo, a necessidade da locação de um imóvel para morar, mais ainda os danos morais daí decorrentes.

Entretanto, deve-se ponderar se a empresa ou o incorporador estando em severas dificuldades financeiras, não ficaria inócuo, obter uma decisão favorável de quem não terá condições de pagar o que determina a sentença judicial? A resposta óbvia é sim!

Neste sentido, é bastante útil conhecer este dispositivo legal, que permite a destituição do incorporador em caso de atraso de imóvel na planta, a fim de ponderar e estabelecer estratégia eficiente com a finalidade de não perder o que já investiu.

Embora com pesado ônus e muita responsabilidade, a comissão que deverá ser eleita pela maioria dos adquirentes, para a execução das obras, por vezes torna-se mais seguro do que demandar por quem já está insolvente e não possui condições econômicas e financeiras de levar adiante o término das obras.

De todo modo, é recomendável avaliar com muito cuidado a iniciativa para a destituição do incorporador em caso de atraso de imóvel na planta ou até em outras fases mais evoluídas das obras.

Neste norte, além das avaliações econômicas torna-se crucial analisar todas as alternativas jurídicas na área da construção civil, principalmente quando em questão a delicada decisão para a destituição do incorporador em caso de atraso, injustificável, de imóvel na planta ou em qualquer outra fase.

 

João Cândido

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp